Sites Grátis no Comunidades.net
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese



ONLINE
1




Partilhe este Site...

 

Verbo Encarnado, Amor Personificado

Deus viu a humanidade em seu estado de pecado,

Eternamente em miséria e condenado,

Embora o homem se rebelasse contra Deus,

Soberanamente por amor, Ele resgataria os Seus.

===//===

E pelo fato de tanto tê-los amado,

O Verbo que se fez carne foi espancado, zombado, torturado,

Humilhado, ignorado, rejeitado, açoitado,

E sem abrir a boca, ainda por amor, morreu crucificado.

===//===

Seria ele então na morte abandonado?

De modo algum seu plano redentor havia sido frustrado,

Pois ao terceiro dia, ele foi ressuscitado!

===//===

Quem confia nisso será, inocentado,

Porque o resgate por sua vida certamente já foi pago,

===//===

E então daremos graças por Ele ter nos resgatado,

E por Ele viveremos, estando sempre ao Seu lado!

 

Porque é tão difícil confiar naquele que morreu em seu lugar?

Alguém que você conhece morreria por você, HOJE, como Jesus morreu?



O que é estar ausente do corpo - Refutado!
O que é estar ausente do corpo - Refutado!

O QUE É ESTAR AUSENTE DO CORPO

Este artigo se propõe a mostrar como os Adventistas do Sétimo Dia distorcem a Palavra de Deus simplesmente com o intuito de provar seus próprios pontos de vista.

Aqui, refutarei um artigo escrito por Lucas Banzoli, onde ele "pensa" que provou que "ESTAR AUSENTE DO CORPO" não significa que podemos existir à parte do corpo por ocasião de nossa morte.

É recomendado que antes, o leitor faça a leitura do artigo onde apresento melhor as passagens bíblicas que fazem referência ao assunto e, depois, leiam o presente artigo.

REFUTAÇÃO DO SONO E DA MORTE DA ALMA - Especialmente a Prova # 4, que se trata da passagem em questão.

Posto isto, vamos à devida refutação dos argumentos de Lucas Banzoli. As palavras dele serão destacadas em azul claro, as minhas em branco, e os versículos citados em verde.

Boa leitura a todos e que Deus nos dê sabedoria para que possamos compreender a VERDADE contida nessa passagem.

-----------------------------

O Sr. Lucas Banzoli começa o artigo dizendo:

"Outra das passagens completamente mal-interpretadas pelos imortalistas, com respeito à morte do apóstolo e o estar com Cristo, está presente na sua segunda epístola aos Coríntios, cap.5, no verso 8: “Temos, pois, confiança e preferimos estar ausentes do corpo e habitar com o Senhor”. O problema deste é que ele está completamente descontextualizado. E texto, fora do contexto, é pretexto para heresia. Desde o início de sua segunda carta aos Coríntios, Paulo acentua a realidade da ressurreição, e não de almas desencarnadas (ver 2Co.1:9, 2Co.1:14; 2Co.4:14; 2Co.5:15)."

Vemos aqui que ele diz que o v. 8 está descontextualizado. Veremos se isso é verdade mais à frente.

"Logo no início da carta, ele já acentua: “Como também já em parte reconhecestes em nós, que somos a vossa glória, como também vós sereis a nossa glória no dia do Senhor Jesus” (cf. 2Co.1:14). Ora, o apóstolo é muito claro: nós seremos transformados em glória no “dia do Senhor Jesus”, que é a segunda vinda de Cristo quando os mortos serão ressuscitados (cf. 1Co.15:22,23), e não quando uma “alma imortal” sai do corpo! Nós seremos a glória e fruto do trabalho de Paulo, não no estado intermediário, mas no “dia do Senhor Jesus” (v.14)."

É fato que nosso corpo só será glorificado e redimido no dia do Senhor. Porém, isso não significa que não exista um período intermediário entre a vida e a morte. Significa?

O Sr. Lucas Banzoli faz uma confusão tremenda quando pensa que "ser transformado em glória" é o mesmo que "estar junto com Deus". Ser transformado em glória diz respeito ao nosso corpo, assim como o Senhor Jesus teve seu corpo transformado. E sobre o estar junto com Deus logo após a morte, veremos isso com mais detalhes adiante.

"Primeiramente devemos notar que existe uma grande diferença entre estar fora “do” corpo e em estar fora “de” corpo. Estar ausente “do” corpo significa estar ausente deste presente corpo em que nós estamos agora. Mas não significa estar sem corpo nenhum. Muito pelo contrário, Paulo escreve claramente que não estaria “se achando nu” (cf. 2Co.5:13). Ora, qualquer um sabe que nós só nos acharemos revestidos de corpo novamente com a ressurreição dos mortos (cf. 1Co.15:22,23)."

Qual é a diferença entre "estar fora DO corpo" e "estar fora DE corpo"? Esse argumento chega a soar ridículo. A construção gramatical "estar fora DE corpo" nem mesmo existe!

Paulo não escreve que "não estaria se achando nu", nem muito menos no v. 13, que não diz nada sobre isso. Ele escreve dessa forma:

"porque, estando vestidos, näo seremos encontrados nus." (2Cor 5.3)

Ele está dizendo "seria encontrado nu", ou seja, sem um corpo SE ESTIVESSE VESTIDO!

Ou seja, ele não seria encontrado sem corpo SE não estivesse sem corpo. Esse é outro argumento do Sr. Lucas que mostra o quanto o entendimento dele está corrompido.

"Além disso, Paulo enfatiza o teor da ressurreição dos mortos poucos versos antes, em 2Co.4:14 – “Pois sabemos que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus, nos ressuscitará também a nós com Jesus e nos fará comparecer diante dele convosco”,  deixando claro que nós só nos compareceremos diante dele convosco depois da ressurreição! Veja que antes de Paulo escrever a passagem isolada usada pelos imortalistas, ele acentua: “Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus, e nos apresentará convosco” (cf. 4:14), acentuando o caráter da ressurreição."

Novamente, o fato de Paulo citar a ressurreição e glorificação DOS CORPOS, não prova que a alma não sobreviva à parte do corpo após a morte. Além do mais, como veremos mais à frente, estar "ausente" do corpo implica em estar ausente de qualquer corpo, seja ele TERRRENO (mortal) ou CELESTIAL (imortal, ressurreto e glorificado).

"Paulo afirma que desejava ser apresentado com aqueles a quem ele havia convertido a Cristo, ou seja, quer encontrá-los todos. Por que ele não disse que esperava isso acontecer quando ele morresse e fosse com sua alma para o Céu? Qual nada, a ênfase dele está inteiramente na ressurreição; é somente na ressurreição que Paulo e os Corintos seriam apresentados novamente; e poucos versos depois: “Se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus” (cf. 5:3), aqui já vimos que Paulo estaria “vestido” no Céu (com corpo) e não “achado nu” (sem corpo)!"

Vejamos um erro aqui: Paulo não diz que "converteu" as pessoas. A conversão é um processo operado única e exclusivamente por Deus na pessoa, e não por outros homens. Portanto, já começamos a ver as "brechas" na teologia do Sr. Lucas Banzoli.

Além do mais, Paulo não diz que seria apresentado "aos" que haviam se convertido, mas sim "com" eles. Apresentados a Cristo, em corpo!

"Porque sabemos que aqueles que ressuscitou ao Senhor Jesus dentre os mortos, também nos ressuscitará com Jesus e nos apresentará com vocês" (2Cor 4.14)

Vejamos o entendimento que o Sr. Lucas Banzoli tem a respeito dessa passagem:

"é somente na ressurreição que Paulo e os Corintos seriam apresentados novamente"

O texto não diz que Paulo seria apresentado "aos" coríntios, mas sim "com eles". Além do mais, eles já se conheciam entre si. Não há necessidade de uma nosa apresentação entre eles.

Sobre o "não ser achado nu", já falei acima e falarei novamente mais à frente.

Porém, até aqui, o Sr. Lucas Banzoli não conseguiu nos mostrar nada além de uma má compreensão do texto bíblico. Vejamos:

"Só isso já seria o suficiente para desmoronar com a falsa interpretação dos dualistas. Mas como se isso não fosse suficientemente claro, ele continua acentuando tal fato no verso seguinte: “Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida” (cf. 5:4). Novamente o apóstolo confirma que ele não quer se achar “despido”, mas sim “revestido”! Ora, perguntaríamos: Será que o apóstolo Paulo rejeitava entrar no Céu como um espírito desincorporado, uma vez que ele diz claramente que “não queria ser despido, mas revestido”?"

Suficiente?

Vejamos:

Paulo diz simplesmente que "prefere" ser transformado em vida (sem ser despido do corpo) do que passar pela morte (despir do corpo). Essa era a preferência dele. Ele preferia que seu corpo fosse glorificado enquanto vivo (mortal absorvido pela vida) do que passar pela morte (despir do corpo) e ser ressuscitado.

Em resposta à pergunta feita pelo Sr. Lucas Banzoli, podemos afirmar, com toda a certeza, que Paulo não está dizendo que não queria entrar no céu sem corpo, mas sim que ele não queria passar pela morte (despir do corpo); ele queria ser transformado ainda em vida, no corpo, porque ele mesmo afirma que não é necessário que o corpo morra para que seja glorificado e revestido de imortalidade.

"Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos (MORREREMOS), mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitaräo incorruptíveis, e nós seremos transformados." (1Cor 15.51-52)

"Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, näo precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitaräo primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor." (1Ts 4.15-17)

Aqui vemos claramente a possibilidade de os "vivos", ou seja, ainda vestidos com o corpo terreno e mortal, serem aborvidos pela vida e imortalidade sem passar pela morte, que é o "despir" do corpo, ou seja, a "destruição da habitaçao terrena" à qual ele se refere em 2Cro 5.1. É disso que o apóstolo Paulo está falando. De sua preferência em não passar pelo martírio, mas sim pela glorificação ainda em vida.

"É evidente que não, pois o Céu seria um prêmio para qualquer um. O que o apóstolo Paulo realmente estava dizendo é que nós, enquanto neste presente corpo, gememos querendo deixar este corpo (cf. 5:8), não para passar pelo “sono da morte”, em que deixaremos de existir, por isso estaremos “despidos” (cf. 5:4), mas sim porque seremos revestidos em seguida (5:8), fato esse que acontece apenas na ressurreição dos mortos (cf. 1Co.15:22,23; 1Co.15:51-54). É exatamente isso o que Paulo estava dizendo."

Aqui o Sr. Lucas Banzoli concorda comigo. Porém, dizer que "deixar este corpo" se refere à se revestir do novo corpo é um grande engano. O nosso corpo ressurreto não será "outro", mas o mesmo corpo que temos agora. É por isso que o corpo ressurreto de Jesus ainda tinha as marcas dos pregos nas mãos. Quando Paulo fala de "deixar ESTE corpo" ele quer dizer, de fato, que deixaria seu corpo, seja ele terreno ou ressurreto, pois se tratam da mesma coisa.

Além do mais, a palavra grega usada no v. 8 é ekdemeo, que significa literalmente "viver ou estar no exterior", "estar ausente". O Sr. Lucas Banzoli disse que Paulo queria "deixar" o corpo no sentido de largá-lo, deixá-lo para trás, porém, a tradução correta seria "viver ou estar fora" ou ainda "estar ausente" do corpo, conforme tradução da NVI.

Além do mais, ele afirma que quando morremos "deixamos de existir". Essa é uma outra heresia que ele ensina. Ora, se nós deixamos de existir no período entre morte e ressurreição, o que aconteceu com o Senhor Jesus, que é plenamente Deus (onisciente e eterno) no período em que seu corpo esteve na sepultura? Ele deixou de existir? 

Eu gostaria de dizer que o leitor pode acompanhar mais de perto minha refutação a isso, contra o próprio Lucas Banzoli aqui.

"Seria muito estranho que o “despido” se relacionasse a um espírito com consciência e personalidade que vai para o Paraíso esperando a ressurreição, pois se fosse assim Paulo não acentuaria tanto que NÃO desejava estar neste estado (cf. 2Co.5:3; 2Co.5:4)."

Paulo não disse que não desejava estar nesse estado. Ele disse que preferiria passar pela glorificação em vida em vez de morrer. Ele fala da angustia (v. 2 e 4) de ser despido (morto), mas nunca que ele não queria estar com Cristo "sem corpo". Pelo contrário...

"Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, näo sei entäo o que deva escolher. Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne." (Fl 1.22-24)

Paulo dizia que "partir e estar com Cristo" (morrer) era muito melhor do que o "ficar na carne" (permanecer no corpo).

Como o Sr. Lucas Banzoli pode afirmar que Paulo não desejava "deixar o corpo para estar com Cristo"?

"Paulo não estava rejeitando entrar no Céu como um espírito descorpóreo, mas sim não queria passar pelo período em que deixamos de existir com vida antes da ressurreição, momento este em que estaremos despidos, inconscientes, e é isso o que Paulo não desejava, pelo contrário, esperava com entusiasmo o momento glorioso em que ele seria revestido novamente (cf. 5:4), para aí sim o “mortal ser absorvido pela vida” (cf. 5:4) e ele conseguir aquilo que ele queria: ser revestido para entrar no Paraíso, pois não entraria no Paraíso “se achando nu” (cf. 2Co.5:3)."

Novamente, ele concorda comigo sobre Paulo não querer morrer, mas isso não significa "deixar de existir" quando morremos. Conforme vimos na passagem acima, Paulo tinha o desejo de "PARTIR e ESTAR" com Cristo.

Como alguém que parte (morre) e deixa de existir pode ESTAR com alguém?

De onde o Sr. Lucas Banzoli tirou a interpretação de que "não se entra no paraíso se achando nu (sem corpo)"?

Vejamos:

"Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, uma casa näo feita por mäos, eterna, nos céus. "Pois nesse" [tabernáculo] gememos, desejando ser revestidos da nossa habitaçäo, que é do céu" (2Cor 5.1-2 - Tradução livre do grego)

Observemos como Paulo define as coisas aqui:

Casa terrestre deste tabernáculo = corpo mortal, DA TERRA.

Casa não feita por mãos, eterna = morada celestial, NO CÉU.

Habitação que é do céu = corpo ressurreto, imortal e glorificado, DO CÉU.

Paulo não está dizendo, no v. 1, que se fosse morto ele teria de Deus um novo corpo DO CÉU, mas sim uma habitação "NO CÉU", conforme ele se refere ao corpo ressurreto no v. 2.

No v. 1, sobre a "casa não feita por mãos, eterna"  encontramos a preposição grega EN, que significa NO, ou seja, trata-se de posição, ou lugar, corretamente traduzida por "NO CÉU".

No v. 2, sobre a "habitação celestial", encontramos a preposição grega EK, que significa DE, ou seja, denota origem, uma habitação "DO CÉU", VINDA DO CÉU, PROVENIENTE DO CÉU.

Portanto, mesmo sem uma casa terrestre destruída pela morte, Paulo tem uma casa NO CÉU. que não é uma referência a seu novo corpo celestial proveniente DO CÉU.

"Até aqui vimos a lógica do apóstolo Paulo no contexto de 2 Coríntios cap.5, que nos mostra que, para ele:

 (1) O momento em que seremos apresentados uns aos outros é na ressurreição (cf. 2Co.4:14)

Essa interpretação está incorreta. O versículo não diz que seremos apresentados "uns aos outros", mas sim que Paulo seria apresentado "com" os coríntios. No grego, a preposição SUN significa "com", "junto", "em união", "em companhia".

A expressão "uns aos outros" aparece em Ef 5.21.

"Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus."

Essa expressão, do grego ALLELON, significa "reciprocamente". Se Paulo, de fato, estivesse dizendo que seríamos apresentados "uns aos outros", não teria usado a preposição "com".

Eu serei apresentado "com" vocês nunca significou que eu serei apresentado a vocês, e nem vocÊs a mim, mas sim que nós, juntos, seremos apresentados "a alguém" além de nós. A quem? A resposta está na mesma carta.

"Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo." (2Cor 11.2)

E em Colossenses 1.21-22:

"A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis."

Portanto, Paulo seria apresentado "com" os coríntios, e "com" todos nós, a Cristo, na sua vinda.

Portanto, mais um erro pra lista de erros do Sr. Lucas Banzoli.

(2) Não há vida na condição de despido e incorpóreo (cf. 2Co.5:3)

Será que não? Como explicar que os mortos no Senhor têm uma habitação no céu, cf. 2Cor 5.1? E como explicar que Jesus trará, em sua vinda, com ele, aqueles que nele dormiram?

"Para confirmar os vossos coraçöes, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos." (1Ts 3.13)

E como explicar o "partir" (morrer) e "estar" com Cristo (Fp 1.22-24)?? Se a morte significa deixar de existir, como alguém que não existe pode ESTAR com Cristo após sua partida (morte)? Aquilo que não existe pode "estar"?

Isso soa como uma contradição... um paradoxo, não?

(3) Paulo não queria ser despido, mas sim revestido (cf. 2Co.5:4)

Isso porque ele não queria passar pela morte, mas ser transformado ainda vivo. Nada prova contra a imortalidade da alma e sua existência à parte do corpo.

(4) O momento em que seremos revestidos é na ressurreição dos mortos (cf. 1Co.15:53)

Seremos revestidos com uma nova habitação do céu caso estejamos despidos, mas seremos transformados caso ainda estejamos nesse corpo, porque esse corpo mortal será revestido de imortalidade. Enquanto isso, temos de céus uma casa eterna, no céu.

"Isso por si só já é um verdadeiro golpe de morte na doutrina pró-imortalista. Mas o último golpe (como se isso tudo já não fosse suficientemente claro) vem quando ele afirma em seguida o seu desejo de estar com Cristo quando o mortal fosse absorvido pela vida (v.14). Era este o desejo de Paulo: “Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida” (cf. 2Co.5:4)."

Paulo diz que estaria com Cristo com seu corpo quando a ressurreição acontecesse. Conforme mostrado acima, em 1Ts 3.13, na vinda do Senhor Jesus, ele trará juntamente com eles TODOS OS SEUS SANTOS, na ocasião da ressurreição, para eles sejam novamente revestidos de suas novas habitações celestiais, ou seja, seus corpos ressurretos.

Além do mais, em Fp 1.22-24, Paulo fala de "partir e estar com Cristo", o que era muito melhor do que "permanecer no corpo". Não estaremos com Cristo somente quando formos ressuscitados.

"Veja que o desejo de Paulo, pelo qual ele gemia carregado, era na esperança de ser revestido para que o mortal fosse absorvido pela vida. Este era o desejo de Paulo pelo qual ele desejava estar ausente do corpo (morrer). A pergunta final que nos fica é: Quando é que se dá este momento tão desejado por Paulo, quando o mortal será absorvido pela vida?"

Ora, o próprio apóstolo Paulo já havia respondido aos coríntios na sua primeira carta a eles:

Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que isso que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isso que é mortal se revista da imortalidade. Pois é necessário que aquilo que é corruptível se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é mortal, se revista de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória.” (cf. 1Co.15:51-54).

Resposta: No som da última trombeta, que “coincidentemente” é exatamente o momento. . . isso mesmo, da ressurreição dos mortos! É somente na ressurreição que o mortal se reveste da vida, o que também nos mostra que antes da ressurreição nós somos meros seres mortais a sermos revestidos de imortalidade em função da ressurreição dos mortos. Além disso, vemos que logo em seguida de Paulo escrever que queria ausentar-se deste corpo, ele escreve:

 “Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más” (v.10), ou seja, ele esperava partir do corpo para o tribunal de Cristo e receber dele o que lhe é devido. O mesmo Paulo escreve quando é que se dá tal acontecimento: “Na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos por sua manifestação e por seu Reino” (cf. 2Tm.4:1).

É óbvio que as recompensas só serão recebidas quando novamente estivermos com um corpo, na ressurreição, pois o corpo é o meio pelo qual podemos desfrutar, concretamente, daquilo que Deus tem para nos oferecer e para que possamos interagir com o mundo material.

O Sr. Lucas Banzoli deveria também fazer a clara distinção entre a parte material e mortal do homem (corpo) e a parte imaterial e imortal do homem. O que será absorvido pela vida será o CORPO, porque é o corpo quem morre. Para mais detalhes, leia este artigo.

"Ou seja, na segunda vinda de Cristo, que também é a ressurreição dos mortos de acordo com o mesmo apóstolo (cf. 1Co.15:22,23). Tudo isso nos traz mais do que claramente a resposta para a pergunta: Quando é que Paulo estaria com Cristo? Resposta clara e inequívoca: Na ressurreição dentre os mortos! Vemos, portanto, que é na ressurreição que Paulo estaria com Cristo. A passagem de 2 Coríntios nada mais é do que o fruto de uma passagem totalmente fora de seu devido contexto."

"Para confirmar os vossos coraçöes, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos." (1Ts 3.13)

Na vinda de Cristo, TODOS OS SEUS SANTOS que nele dormiram (cf. 1Ts 4.14) virão com ele, e DEPOIS acontecerá a ressurreição por ocasião da parte imaterial dos mortos se unirem novamente com a parte material (corpo) glorificada e revestida de imortalidade.

"O que faz com que Paulo acentuasse que “partiria e estaria com Cristo” não é o fato de que subsistiria em forma de “espírito descorpóreo”, mas sim pelo fato que quem deixa de existir não está mais sujeito a tempo e espaço, não existe lapso de tempo entre a morte e a ressurreição. Morremos e somos ressuscitados, como se em “um piscar de olhos” (cf. 1Co.15:52). Contudo, o apóstolo Paulo faz questão de frisar que tal acontecimento se dará não quando se achasse “despido”, mas sim “revestido”, de um corpo glorioso, e isso só acontece na ressurreição dos mortos.

 Sobre isso, a expressão "num piscar de olhos" se refere a VIVOS e não a mortos que morreram e "num piscar de olhos" estavam vivos novamente.

"Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitaräo incorruptíveis, e nós seremos transformados." (1Cor 15.51-52)


Vamos analisar a expressão "num abrir e fehcar de olhos".

Podemos dividir o versículo citado da seguinte forma:

a) Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta;

b) porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitaräo incorruptíveis, e nós seremos transformados.

Existe a separação entre as frases dada por ";". Ou seja, Paulo na se refere aos mortos ressuscitando como se "num abrir e fechar de olhos", mas sim aos vivos sendo transformados. Note o ";" no versículo, que faz clara distinção sobre quem está sendo dito. Antes do ";" Paulo se refere aos VIVOS somente, sendo trasformados "num piscar de olhos".

Vejamos outros argumentos do Sr. Lucas Banzoli.

VIDA TERRENA

ESTADO INTERMEDIÁRIO

RESSURREIÇÃO NA SEGUNDA VINDA

Ausente do corpo para estar com Cristo quando o mortal fosse absorivdo pela vida (5:4) e quando Paulo estivesse revestido [i.e, com corpo], não se achando despido, mas sim revestido (cf. 5:4; 5:3)

Estado de não-existência [sem corpo]; o qual Paulo rejeita dizendo que não estaria se achando nu e que não queria ser despido, mas sim revestido [ressurreição] (cf. 5:3; 5:4)

Quando o mortal é aborvido pela vida e Paulo é revestido para entrar no Reino (cf. 2Co.5:4; 1Co.15:51-54); o momento em que ele seria apresentado aos Corintos novamente (cf. 4:14)

 

VIDA TERRENA: Paulo não diz que estaria com Cristo somente quando o corpo fosse absorvido pela vida. Ao contrário, em Fp 1.22-24 ele diz claramente que "partiria e estaria com Cristo, o que é muito melhor do que permanecer no corpo".

ESTADO INTERMEDIÁRIO: Novamente, sobre o estado intermediário, Paulo não o rejeita dizendo não seria achado nu (sem corpo), mas sim que "estando vestido" (vivo) não seria achado nu (sem corpo/morto).

RESSURREIÇÃO NA SEGUNDA VINDA: Conforme já mostrado, Paulo não seria apresentado "aos" coríntios, mas sim "com" os coríntios a Cristo.

"A passagem de 2 Coríntios 5:8, quando colocada no seu devido contexto, é um golpe de morte em cima da doutrina da imortalidade da alma em seu estado intermediário. O que nós vemos quando contextualizamos o que o apóstolo afirma, é exatamente a não-existência deste “estado intermediário”, e que o momento em que ele de fato estaria com Cristo seria na ressurreição dos mortos, quando ele estivesse revestido de um corpo glorioso, quando o mortal fosse absorvido pela vida, quando ele estaria se achando vestido e não despido, quando ele seria apresentado aos Corintos novamente."

Novamente, várias informações falsas. Todas elas devidamente refutadas acima. Até aqui não vi nenhum "golde de morte" à imortalidade da alma. Tudo o que eu vi foi um show de interpretações erradas e até mesmo básicas em relação ao português (fora do corpo e fora de corpo; apresentado "com" e não apresentados "aos" coríntios). Quanto mais ao grego bíblico!

"Os defensores da doutrina imortalista, quando são deparados com o devido contexto de 2 Coríntios cap.5, simplesmente não tem como explicar a lógica do apóstolo Paulo. Tudo o que eles conseguem ver é o verso 8 descontextualizado, porque é tudo o que lhes interessa para falar da “imortalidade da alma” como uma suposta prova desta. Esquecem-se, porém, que tal união com Cristo é, como vimos, na ressurreição, e não em um estado intermediário."

Eu defendo a doutrina imortalista, e não fiquei sem explicação quanto ao contexto da passagem mencionada. Pelo contrário, se o leitor quiser, pode acessar o link onde explico todo o contexto da passagem aqui (vide Prova #4).

"O fato da aparente iminência da chegada de Paulo junto a Cristo não se dá por supostamente subsistir desencarnado antes da ressurreição, mas sim exatamente pela não-existência do estado intermediário, o que faz com que o intervalo de tempo entre a morte e a ressurreição – para o ressuscitado – seja praticamente desprezível. Não há nenhuma passagem em que Paulo mencione “almas” ou “espíritos” que já estejam no Paraíso, e quando ele se refere aos mortos diz apenas “aqueles que dormem”, e nunca “aqueles que estão na glória” ou “aqueles que já estão com Cristo”, e isso em treze epístolas paulinas!"

Será?

"Para confirmar os vossos coraçöes, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos os seus santos." (1Ts 3.13)

Onde estavam todos os santos que vêm com Jesus em sua segunda vinda? Na sepultura? Ora... como eles poderia ter deixado de existir na sepultura e ao mesmo tempo vir com Jesus dos céus?

"É muito claro que Paulo, de fato, não acreditava na imortalidade da alma, mas sim em uma partida para estar com Cristo “naquele dia”, o dia de Cristo, da sua majestosa Vinda, o mesmo dia em que ele ganharia a sua coroa da justiça (cf. 2Tm.4:6-8), correspondendo ao dia da sua própria ressurreição para a glória celestial, a fim de ser apresentado para todos os Corintos novamente (cf. 2Co.4:14). O contexto todo derruba “alma imortal” e “estado intermediário”, porque se opõe fortemente àquilo que jamais foi ensinado por Paulo."

Bom, nesse último trecho não preciso nem comentar depois de tudo o que já foi dito.Que o leitor possa conhecer bem os erros de interpretação cometidos pelo Sr. Lucas Banzoli antes de aceitar qualquer coisa que venha desse homem como ensinamento "de Deus".

Espero que o leitor julgue por si mesmo, com a juda de Deus, onde está a verdade.

E que Ele nos abençoe e nos conduza para o caminho correto.

Amém!